Biologia do Consumo/ Neuromarketing

Como usufruir do Neuromarketing na hora das vendas

Tenho percebido que muitos clientes querem o Neuromarketing, mas poucos estão dispostos a entendê-lo e dar a contrapartida necessária que essa ciência demanda.

Quando eu digo contrapartida, de nada adianta uma comunicação efetiva que venda por meio de um post, e-mail marketing, site ou matéria de blog que estrategicamente foi escrita com os estímulos cerebrais próprios para o objetivo da comunicação se quando o cliente chega até o atendimento ou responsável pela venda do produto e serviço, este não é apto para tal função, não a desempenha com o mínimo de ousadia que a função requer ou pior, enche o cliente de mais informações dificultando sua escolha e praticamente impossibilitando o fechamento da venda, pois nesse ponto o racional do cliente já foi acionado e provavelmente ele já foi direcionado para um concorrente, produto e serviço similar ou simplesmente, já desistiu da compra.

Todos almejam rapidez nos resultados, mas de nada adianta investir em Neuromarketing se não houver que é um trabalho de construção e de que todo processo precisa ser pensado de forma estratégica do início ao final da ponta pela qual o cliente ou prospect passará.

Minha recomendação é que ao se optar por um projeto que foi desenvolvido sob os conceitos e efetividade da comunicação focada para o inconsciente do usuário ou do consumidor, o cliente não foque apenas no investimento que fará e pense que nada sozinho faz milagres. Além de um site funcional, clean e objetivo ele vai precisar de uma estratégia de divulgação do mesmo e provavelmente outra para produção de conteúdo.

Por exemplo: Não adianta investir num estudo de SEO (Search Engine Optmization) achando que isso será suficiente para deixar seu site posicionado na primeira posição dos resultados de pesquisa do Google, se não contratar ou não dispor de uma pessoa para alimentar o site ou blog periodicamente.

Não adianta impulsionar um post bombástico com uma promoção cheia de Neuromarketing na imagem e no texto, se o atendimento levará dias para responder aquela dúvida ou questionamento, isso além de não gerar neurônio-espelho (motivar outros a perguntar também ou até mesmo se interessar no conteúdo) poderá gerar certa frustração diante do imediatismo demandado nas redes sociais.

Assim como toda ciência, o Neuromarketing pode ser usado para o bem ou para o mal (por favor use-o para o bem), não faça promessas de que o cliente receberá o melhor produto ou o melhor serviço, se quando o cliente chegar na sua loja ele for mal atendido ou o produto vendido não tem todas aquelas qualidades informadas no momento da venda. Você pode até conseguir a atenção desse cliente num primeiro momento (afinal de contas, o Neuromarketing funciona!) e ele poderá até comprar o seu produto ou contratar o seu serviço, mas com certeza não irá gerar recompra ou fidelidade com a sua marca e o que é pior, um cliente frustrado custa  vezes mais para reconquistá-lo do que obter um cliente novo.

Lembrando que 95% das decisões e ações de compra vem do inconsciente, algumas técnicas de Neuromarketing podem e devem ser utilizadas para te auxiliar no momento das vendas. São elas:

Ambiente: Iluminação agradável (numa loja opte por uma luz amarela que não mostrará as imperfeições do cliente na hora que estiver provando uma peça de roupa por exemplo), espelhos inclinados, aroma agradável (o cérebro é apenas 1% olfativo, no entanto possui mais de 10 mil registros aromáticos e uma vez registrado, ele permanece para sempre em nossa memória). Música se for acelerada fará com o cliente consuma rápido e saia, se for calma, o fará ficar (vai depender qual o objetivo do local e o tipo do comércio).

Atendimento Pessoal: Esteja bem apresentável (70% do nosso cérebro é visual) e nossa linguagem corporal visual representa 55% da nossa comunicação, 38% da comunicação vem da voz e apenas 7% das palavras utilizadas. Uma recepção com sorriso verdadeiro no rosto (gera empatia imediata, lembrando que nosso cérebro cria empatia e decide comprar algo ou não em 2,5 a 5 segundos após o primeiro contato visual), seja objetivo, fale a linguagem do cliente e foque nos benefícios que o produto trará e não em suas características.

Atendimento na Web: Seja objetivo, comunicação clara e direta ao ponto (o cérebro tem preguiça de pensar, ele não quer saber os 30 mil detalhes referentes a um equipamento técnico, que me desculpem os engenheiros, mas o que importa será o resultado que será obtido), responda rápido (um pedido via e-mail ou resposta de e-mail marketing não podem ser respondidos uma semana depois). Tenha um site clean, funcional, imagens bonitas e sem muito texto com um objetivo definido, ter um site apenas como cartão de visitas é algo do passado. Use-o de forma estratégica a divulgar sua empresa e principalmente a contribuir com suas vendas.

Se mesmo com todas essas dicas você sentir que precisa de mais, sentir que você precisa fazer algo urgente para aumentar suas vendas e que tudo o que já fez deu um pequeno resultado mas seu negócio não está evoluindo na velocidade que você gostaria, talvez seja hora de contratar um treinamento de Neuro Vendas para sua equipe. Clique aqui e solicite mais informações a respeito.

3 thoughts on “Como usufruir do Neuromarketing na hora das vendas

  1. Acredito plenamente que entender o comportamento do consumidor é o principal elemento para construção de campanhas e estratégias de marketing.

    Para se fazer excelente campanhas utilizando neuromarketing, utilize gatilhos mentais, é a ponte que leva a publicidade ao sistema límbico do cérebro.

    Grande Abraço, William Alves

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.